Arquivo da categoria: Contos

Aqui nesta categoria são postados os contos da escritora Lina Stefanie.

Querubim

“Nos beijamos e o mundo parou. A lua adormeceu e o sol acordou. Foi nossa noite de amores sob a relva de um jardim de flores de mil cores.

Trecho

Continuar lendo

Anúncios
Publicado em Contos | Deixe um comentário

Catedral

Rue Saint Séverin – Paris – Moça, passe o cartão, por favor. Moça? O silêncio em que me vi mergulhada por segundos foi quebrado por uma voz feminina que me chamava insistente. A cliente segurava o cartão de crédito enquanto … Continuar lendo

Publicado em Contos | Deixe um comentário

Fim

Foi um lance de segundos e meus olhos se fecharam involuntariamente. Meu corpo bateu no chão bruscamente. Minha mente trabalhava incessante com os pensamentos pairando no meu cérebro como aves que voam sem seguir uma lógica, um caminho. O coração … Continuar lendo

Publicado em Contos | Deixe um comentário

Psicografia Materna

Aquele dia não poderia ser diferente do que foi. Tudo caminhava na direção da tragédia, se assim posso dizer. A vida nunca foi a ideal, porém foi a minha alegria receber o pouco que Deus sempre me ofertou. Vivi minha … Continuar lendo

Publicado em Contos | Marcado com , , , | Deixe um comentário

Flores do Ipê

  ­- Carol, Carol, acorda! Seu avô está aqui. – mamãe sussurrou no meu ouvido, me acordando da madorna. Acendia-se uma fagulha dentro de mim quando meu avô vinha nos visitar.  Para mim, sua visita era sinal de coisas boas. … Continuar lendo

Publicado em Contos | Deixe um comentário

O véu da noiva

Quando a bruma da noite se desfez descortinando o sol da manhã, a vila repousava em tranquilidade e sua rotina prosseguia. Os engenheiros, como de costume, estavam todos reunidos na casa do engenheiro chefe enquanto a massa operária trabalhava incessantemente … Continuar lendo

Publicado em Contos | 3 Comentários

Na partida

Foi no mais profundo dos seus olhos que eu vi o gotejar incessante da vida abandonando o viver. Tudo transcorreu normalmente, ninguém parou os afazeres cotidianos, o relógio não parou de girar e nem mesmo o mundo. Não recebi cartas, … Continuar lendo

Publicado em Contos | Deixe um comentário